romeu/ Janeiro 3, 2018/ Iluminação Profissional e Arquitetural

Pode ser que você ainda não tenha ouvido falar nesse efeito, más, com certeza já sentiu em seus olhos ao perceber uma oscilação ou cintilação da luz em uma lâmpada ou luminária convencional. Se refere à percepção pelo olho humano das variações luminosas provocadas pela flutuação da tensão de alimentação, o famoso pisca-pisca intermitente de algumas lâmpadas convencionais.

Muitos já experimentaram a sensação dessa variação da intensidade luminosa das lâmpadas incandescentes e das lâmpadas fluorescentes. Isto ocorre em ambientes domésticos, comerciais e industriais, devido a outras cargas ligadas ao mesmo circuito de alimentação variarem, repentinamente a corrente consumida. Vários são os aparelhos que costumam provar o efeito “flicker”: aquecedor, chuveiro, ar condicionado, forno elétrico, prensa, estamparia, elevador, solda, etc. As causas variam desde simples cargas domésticas variáveis até em processos industriais pesados.

Essas variações luminosas perceptíveis ou não ao olho humano, geram desconforto visual, podendo atingir o sistema nervoso central e até provocar disfunções neurológicas caso sejamos expostos a este efeito por um longo período. Para observadores comuns, estas oscilações de luz podem causar incomodo visual, cansaço visual, dificuldades para leitura, dor de cabeça constante, estresse mental e até perda de concentração.

O problema do flicker, vem se mostrando mais presente, com o aparecimento das lâmpadas de LED, temos mais um ponto importante a ser considerado quando for para a substituição das lâmpadas convencionais por lâmpadas e luminárias com tecnologia LED, além de mais econômicas, com longa durabilidade e vida útil, maior emissão de lúmens (fluxo luminosos), baixa geração de calor, isento de metais pesados, essas lâmpadas necessitam de corrente contínua para funcionarem e é através de uma fonte, interna que essa corrente é convertida.

Nossa rede elétrica, trabalha a uma frequência de 60Hz ou seja, 60 vezes por segundo, a tensão varia entre 0v e 110v ou 220v conforme o local onde estamos utilizando. Por isso damos o nome de corrente alternada, pois ela se alterna constantemente entre positivo, 0v e negativo. Já o led para funcionar precisa que a energia flua através dele sempre polarizada, ou seja, de um lado positivo e de outro negativo, para fazer essa conversão, utilizamos circuitos chamados popularmente como fontes, ou transformadores.

O problema é que essas fontes usam capacitores para entregar energia na polaridade correta enquanto a rede está na polaridade invertida, e custam mais caro, quanto maior a estabilidade de tensão que elas proporcionam. Nosso olho, percebe variações na casa de 24Hz porém registra imagens entre 120Hz e 180Hz, você já deve ter sentido ou ouvido alguém comentar que em situações de alto estresse como um acidente de trânsito, teve a sensação de ter visto as coisas em câmera lenta; esse fato ocorre pois nessas situações, nosso cérebro passa a dar atenção total aos estímulos visuais.

O flicker, pode passar despercebido aos nossos olhos, porém, não ao nosso cérebro, e isso causa dores de cabeça constantes, cansaço, fadiga, cansaço visual, estresse, e pode desencadear problemas neurológicos em situações mais graves como convulsões e epilepsia. Se você é adepto ao uso das câmeras de celular e outras câmeras digitais, já deve ter reparado, que em algumas situações quando você filma aparecem linhas geralmente horizontais na imagem, essas linhas são causadas justamente pelo flicker.

Imagem exemplificando uma foto tirada sobre uma luz com alto flicker a esquerda e sem flicker a direita.

Quando for escolher lâmpadas fluorescentes e lâmpadas LED, você deve ter em mente, não só o modelo, a potência e a luminância, mais um dos fatores decisivos deve ser o tipo de lâmpada, e a existência e intensidade do flicker presente nela. Só para efeito de comparação, uma lâmpada led, atualmente (abril/2017) comum custa em torno de R$ 14,00 de 12w com um flicker de 12%. A Mesma lâmpada com flicker de 10% (indicada para uso em áreas externas residenciais), custa em torno de 33,00; para se ter uma ideia, uma com flicker de 8% indicada para ambientes de trabalho, e uso geral residencial, custa 54,00; uma com flicker de 5% indicada para escritórios e salas ou quartos residenciais custa 74,00; por fim, uma flicker-safe com flicker menor que 1% custa entre 89,00 e 124,00.

Quando for investir em lâmpadas para sua casa, pense também no conforto, e no ambiente de uso. Em breve, vamos falar sobre a temperatura de cor, e o conforto visual que ela traz.

Comentários

Outros Relacionados: